TRABALHADORES DE LUZ - A caminho da evolução

TRABALHADORES DE LUZ - A caminho da evolução

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Vénus - Amor no Coração do Sol

 

Vénus - Amor no Coração do Sol


No símbolo de Vénus (♀) encontramos o círculo do espírito sobre a cruz da matéria. É o domínio do Espírito sobre a Matéria.

“… Com o espírito sobre a matéria, pode manifestar-se a lei segundo a qual o que está em cima passa para o que está em baixo. É por meio desta ordem natural que a suavidade da verdadeira natureza do homem revela a ele a fonte da sua vida física. Esta é a verdadeira essência do amor.

Quando os antigos idealizaram este símbolo, sabiam que, quando o homem coloca a matéria acima do espírito, a sua vida fica vazia. A grande beleza, harmonia e amor que encontramos no mundo é o resultado da capacidade do homem de conseguir unir essas duas partes do seu ser, de forma que a sua essência espiritual esteja sempre acima da sua existência física, embora ligada a ela…” In “Vénus – A Dádiva do Amor – Martin Schulman

Vénus, regente de Touro (Terra) e Balança (Ar), é o lado feminino da nossa natureza. Vénus, Afrodite, Ishtar… Deusa do Amor. Segundo planeta do sistema solar, irmã da Terra, ponto mais brilhante do céu nocturno. Estrela da manhã quando atinge o seu brilho máximo antes do nascer do Sol ou, estrela da tarde quando o atinge no ocaso. Representa a nossa capacidade de expressar e ver beleza, o nosso sentido estético, o Belo, a união a algo que nos devolva valor, é a experiência da complementaridade.

Em Touro, é a atracção magnética pela forma, pelas posses, por um sentido de segurança. É a experiência dos sentidos…. prazer. Em Touro procura valor – como nos valorizamos, como utilizamos os nossos recursos internos e externos, como a nossa vida é expressão do nosso sentido de auto-valor – Amor próprio… E, a nossa relação com o que temos, com o dinheiro, com o que precisamos, diz muito sobre a forma como nos relacionamos connosco, sobre a maneira como nos damos valor, sobre o nosso sentido de segurança. Em Touro, Vénus ensina-nos que a nossa primeira relação é connosco.

Em Balança (Libra) é a aprendizagem dos e nos relacionamentos. É a Justiça, a parceria, a relação a dois, as relações sociais, a Arte. É a busca da harmonia. Na justiça, na arte ou nos relacionamentos buscamos harmonia, buscamos proporção – a proporção dourada. Em Balança (Libra) saímos de nós e buscamos no outro complementaridade. É a vivência do espelhamento – atraímos quem ou o que nos espelha. E quando não aprendemos a relacionarmo-nos connosco, quando não aceitamos ou ocultamos partes de nós, os relacionamentos são o campo para as maiores aprendizagens… muitas vezes para os maiores desafios. É-nos devolvido através da projecção, quem também somos e não sabemos ou não queremos saber.

Em Peixes Vénus exalta-se e o Amor universaliza-se. Em Gémeos tem um trabalho especial, pois é o regente esotérico deste signo, o regente da Alma. Em Gémeos Vénus ensina a comunicar a partir do coração. Vénus Deusa do Amor, Mercúrio (regente de gémeos) o mensageiro dos Deuses – Vénus junta-se a Mercúrio e traz amor às mensagens.

Vénus é especial e a sua especialidade mostra-se também através dos seus ciclos. Por estar muito próxima do Sol, o movimento de translação de Vénus leva 240 dias. No entanto, Vénus tem um ciclo maior, marcado pelas conjunções que o planeta faz periodicamente com o Sol. A cada 584 dias, vemos que Vénus, em movimento retrógrado, forma uma conjunção com o Sol, a chamada conjunção inferior (o planeta está retrógado e mais próximo da Terra). Num período de 8 anos, aproximadamente, ocorrem 5 conjunções inferiores em diferentes pontos do zodíaco formando uma forma geométrica – uma estrela de cinco pontas (um pentagrama). Se observarmos todas as conjunções que ocorrem ao longo dos séculos, percebemos que o pentagrama de Vénus move-se ciclicamente, em movimento retrógrado, a cada 256 anos.

O próximo mês de Junho vai ser muito fértil em termos de acontecimentos astrológicos significativos e, assim na Terra como no Céu, todos estamos conscientes que estamos a viver um tempo especial, um tempo em que todos nós podemos ganhar sentido e alinhar-nos com o propósito da nossa alma. Para além de no final de Junho termos a primeira de sete quadraturas entre Úrano e Plutão e de Júpiter entrar em Gémeos, teremos também no dia 5 e 6 de Junho um trânsito especial de Vénus (logo no dia a seguir ao eclipse lunar).

Vénus é o regente esotérico do signo de Gémeos e neste momento está retrógado em Gémeos. No dia 5 e 6 de Junho Vénus vai estar cazimi com o Sol no final do 16 de Gémeos (deve ter-se em conta o grau 17) ou seja, como explica o António Rosa no blog Cova do Urso; “ Cazimi (também escreve-se Casimi) é um palavra técnica árabe que significa "coração do Sol" ou "no coração do Sol". É um termo astrológico / astronómico significando um planeta que está em conjunção exata com ou muito perto do centro do disco solar. Um planeta que forma uma conjunção com o Sol no espaço de 17 ' (minutos de arco) de partil (exactidão) é dito ser Cazimi, literalmente engolido e fortificado pelo Sol e, como ele também pode ser interpretado "no coração do sol".”

O trânsito de Vénus de dia 5/6 de Junho vai fechar a estrela de cinco pontas, o pentagrama. O trânsito de 2012, será o último do século (o próximo será em 2117). As duas últimas vezes que isto aconteceu foi em 8 de Junho de 2004 e a anterior a essa, em 1882.

Este é realmente um trânsito especial de Vénus. Se olharmos para o símbolo sabeu do grau onde Vénus se encontra no coração do Sol, consciencializamos a grandeza do significado. E nele, no símbolo, encontro o significado também do completar da estrela de cinco pontas. Para Pitágoras, o pentagrama era considerado o símbolo da perfeição. Assim, quando o pentagrama se fecha no momento em que Vénus se junta ao Sol, é um momento de perfeição Divina. Para os pitagóricos a estrela representa a sabedoria e o conhecimento. A Estrela de cinco pontas é também um símbolo que designa o homem espiritual, o indivíduo dotado de alma. A ponta superior da Estrela é a cabeça humana, a mente. As demais pontas são os braços e as pernas. As cinco pontas da Estrela lembram ainda os cinco sentidos que estabelecem uma ponte para a comunicação da alma com o mundo material. É um momento significativo para todos e especialmente para quem tem energias perto do grau 16 dos signos mutáveis (gémeos, virgem, sagitário e peixes) e também em Balança e Aquário (trigono) e Carneiro e Leão (sextil). Espero que seja um momento profundo, para mim também, que tenho o Sol a 17 de Gémeos.

No Símbolo sabeu do grau 16 está presente a necessidade de exteriorizar o conhecimento, a sabedoria… levar consciência aos que ainda não despertaram. Apesar dos aspectos tensos que vamos ter e temos tido no Céu, e apesar do símbolo poder sugerir contestação social, acredito, ainda assim, que impregnar o Rei (Sol, autoridade) em cada um de nós com o Amor de Vénus em Gémeos, disponibilizando sabedoria e conhecimento a todos, permitirá que acordemos e nos expressemos de uma forma venusiana para que a velha ordem de poder seja substituída por uma mais justa, harmoniosa, amorosa. O símbolo do grau 17, sugere e reforça uma transformação por meio da proliferação de conhecimentos de uma forma calma e consistente. Os dois símbolos representam de alguma forma o arquétipo geminiano, o dois, os dois lados sempre presentes - um lado instintivo e outro consciente. Será, creio eu, uma oportunidade de síntese. Uma elevação de nível de consciência, só possível através do Amor.

Símbolo sabeu do grau 16 de gémeos

“Uma activista dramatiza, num emocionado discurso, sua causa.

Ideia básica: Uma resposta apaixonada a uma experiência nova profundamente sentida.

Aquilo que foi “descoberto” não apenas precisa ser discutido e testado por meios de um intercâmbio intelectual que lhe permita ser formulado, como também requer a “exteriorização”. Isso implica o acto de lidar com aqueles que ainda não estão cônscios do novo conhecimento ou da nova compreensão. É necessário haver um público, que deve ser convencido; a sua resistência inicial à mudança deve ser superada. Isso costuma requerer uma dramatização emocional das questões envolvidas. Aqui, mais uma vez, tal como no próprio início no ciclo (Áries 1º), é descrita uma mulher, que tem como significado uma pessoa que depende dos sentimentos e das imagens veemente para abalar o público receptivo.

… Lidamos agora com a exteriorização do impulso original – isto é, a saída do vasto oceano de potencialidades que constitui a natureza humana em todos os níveis. Está em jogo um processo de comunicação de novas experiências. A mente é chamada a realizar a sua tarefa, mas primeiro vem a acção da mente que é violentamente transformada e que tenta transformar outras mentes por meios violentos, a mente proselitista.”

Grau 17

"A cabeça de um jovem robusto transforma-se na de um pensador robusto.

Ideia Básica: A transformação da vitalidade fisica no poder de construir conceitos e formulações intelectuais por intermédio dos quais o conhecimento possa ser transferido.

Enquanto, no símbolo precedente, vemos a libertação explosiva de impulsos gerados por uma nova forma de perceber o que é certo e errado - a forma "mulher" controlada pelos sentimentos, - vemos agora um quadro de um processo de calma e consistente metamorfose de energia biológica em poder mental, que pode ser visto simbolicamente como a forma "homem". O simbolismo pode parecer ultrapassado nos nossos dias, mas as duas abordagens contrastantes de comunicação de novas experiências permanecem evidentes, seja qual for a maneira de simbolizá-las.

Tal como acontece em praticamente todos os casos, apresenta um contraste em relação ao primeiro. Temos representada a transformação de emoções em mente, de instintos em pensamentos - um processo de metamorfose mental."


In “Uma Mandala Astrológica” – Dane Rudhyar

 
Não posso deixar de agradecer venusianamente, de coração, ao António Rosa pelo desafio que me lançou. Agradeço muito também todo o seu apoio.

 

Vera Braz Mendes

sábado, 25 de agosto de 2012

Mensagem Importante

SRI AUROBINDO
22/08/2012
Eu sou SRI AUROBINDO.
Irmãos e Irmãs, estabeleçamo-nos na Comunhão e na Paz.
... Compartilhamento da Dádiva da Graça ...

Eu vou prosseguir, hoje, com o que eu lhes disse durante as minhas três últimas intervenções (Nota: intervenções de 16 de agosto, 15 de julho e 21 de maio de 2012).

Eu vou tentar entretê-los com os mecanismos que se desenrolam.

Não nos processos do Despertar porque isso foi feito por inúmeras pessoas.

Eu não venho tampouco falar-lhes sobre os mecanismos que lhes serão dados a ver, nos tempos em curso.

Mas eu vou tentar, de preferência, dar-lhes as referências e os marcos.

Momentos particulares que lhes são possíveis viver e que traduzem, de algum modo, as primícias, bem reais, e a vivência da sua Ascensão.

Eu vou me colocar do ponto de vista dos mecanismos que se desenrolam diretamente na consciência e que resultam da Ação da Luz e do Fogo Celeste, em vocês.

Se vocês foram Chamados (por MARIA, pela Luz ou por uma das Estrelas), vocês irão constatar, a velocidades que são diferentes para cada um, que vai ocorrer alguma coisa em vocês.

Essa alguma coisa que vai se produzir, em vocês, tem uma única finalidade.

É, se vocês o aceitarem, para viver a Liberdade Total.

Quando o Fogo da Luz toca vocês e quando há, é claro, aceitação, a consciência vai viver mecanismos inéditos.

Esses mecanismos vêm completar tudo o que lhes foi exposto, desde um ano, nas possibilidades de Comunhão, de Fusão, de Dissolução, de Deslocalização da Consciência.

Mas em todos esses processos de Comunhão, de Fusão, de Dissolução ou de Deslocalização da Consciência, persiste o sentido de uma identidade e de uma identificação, mesmo se esta identidade for diferente da identificação ao que vocês são, sobre este mundo.

Existe, entretanto, uma superimpressão, uma sobreposição, desses mecanismos vivenciados e da persistência de uma identidade.

Além dessas diferentes experiências e desses diferentes estados que vocês têm talvez vivenciado, o Fogo do Céu, em suas aproximações individuais, será notável por certo número de elementos.

Esses elementos notáveis estão além dos diferentes Samadhi.

Eles se traduzem, como vocês sabem disso, pela Paz Suprema e pela possibilidade de ser Absoluto com forma.

Mas este Absoluto com forma passa por instantes e por momentos em que há para viver estados que eu qualificaria de intermediários.

O primeiro desses estados intermediários, vocês são extremamente numerosos em terem vivenciado isso, já que se trata, muito simplesmente, do que vocês podem nomear o adormecer ou o desaparecimento, que isso seja nos Alinhamentos, nas suas meditações, ou nos escutando ou nos lendo.

Este desaparecimento, ou, de preferência, esta ocultação da consciência ordinária, é um primeiro passo para a Liberação.

Vêm, em seguida, experiências onde, através, justamente, das Comunhões, das Fusões, das Dissoluções ou das Deslocalizações, tornar-se possível viver e, sobretudo, apreender, que a vida não está limitada ao que vocês percebem e, ainda menos, a este corpo, ou a esta forma.

Existe, portanto, o aparecimento de múltiplos mecanismos Vibratórios que foram descritos para vocês, já, desde vários anos.

Mas estes aqui assumem, durante este período, uma acuidade particular.

E depois, para alguns de vocês, além da acuidade particular dessas experiências que lhes são conhecidas, e além do adormecer, começam a ocorrer mecanismos onde há, de algum modo, a perda total de toda referência habitual, que essas referências correspondam à identidade de uma pessoa ou mesmo à identificação da Vibração da Luz.

A um dado momento, o mecanismo de adormecimento (que é também, como lhes disse BIDI, o Absoluto) vai, e eu não tenho outra palavra, como se conscientizar ou conscientizar de novo.

Nesses instantes, nessas fases (mas não vejam ali uma sequência formal e lógica), vai se desenrolar um estado que não é nem o sono, nem o sonho, nem o Acordar, nem mesmo Turiya.

A vigilância torna-se profundamente diferente de todas as experiências que vocês puderam viver.

O que sobrevém, naquele momento, não pode se acompanhar de qualquer medo, de qualquer interrogação.

Assim como, se esta experiência se desenrolar, as próprias percepções do Supramental, desde as Vibrações do corpo, passando pelos Sons do Nada, passando pela percepção das Coroas Radiantes, vão desaparecer.

Do mesmo modo que há o desaparecimento de toda imagem possível, de toda coloração possível, de toda forma possível.

Os mecanismos dos elementos se colocam então em operação, no nível deste corpo, podendo, efetivamente, antes do desaparecimento das percepções do corpo, dar alguns sinais que lhes foram descritos por SNOW (Nota: intervenção de 19 de agosto de 2012).

A ação da Luz e dos Quatro Viventes, em vocês, vai fazer desaparecer, portanto, o corpo.

Vai fazer desaparecer os pensamentos.

Vai fazer desaparecer toda emoção, assim como toda interrogação.

A consciência não está, no entanto, no Estado de Ser, ela não está tampouco deslocalizada.

Nós poderíamos denominar isso (se for preciso nomeá-lo), Absoluta Presença ou Infinita Presença.

Há, naquele momento, claramente, um Reconhecimento.

Este Reconhecimento é, em meio à sua própria desidentificação, a identificação à Luz que é esse Fogo.

Mas, mesmo esse Fogo não lhes parecendo mais tocar o corpo, mas dando como uma surpresa de Beatitude onde se aniquila todo sentido de qualquer vontade, de qualquer vida, e de qualquer mundo.

Não há mais percepção alguma.

Eventualmente, há simplesmente o sentido e a percepção de ser a Luz.

Não há então visão da Luz.

Não há forma.
Não há mais qualquer história.
Não há mais qualquer pensamento.

Vocês não existem mais enquanto pessoa.

É durante essas fases que ocorre um mecanismo nomeado a ‘estase’ onde vocês vivem o fato de estar vivo, eu diria, como nunca.

A ausência de sinais do corpo, a ausência de sinais Vibratórios (mental ou emocional), instala-os em um tipo de instante presente, que eu qualificaria de Hiper Presença.

Quando essas fases ocorrerem, vocês irão se lembrar de que vocês não dormem mais, de que vocês não são mais percorridos pelo que quer que seja e de que é justamente naquele momento que vocês estão totalmente Viventes.

É, contudo, nessas fases, quando elas se concretizam totalmente (pondo fim ao momento em que vocês desaparecem no adormecimento ou no Absoluto), que pode ressurgir, de muito longe, alguma coisa da sua identidade que permaneceu em uma forma, que é o medo.

Mas este medo é simplesmente uma interrogação sobre o sentido do que vive a consciência, mesmo se houver Reconhecimento.

E aí, vai parecer se desenrolar, em vocês, uma outra fase que é feita, de algum modo, de oscilações entre a consciência no sentido de uma identidade e a Consciência no sentido da Última Presença.

É nesse momento que, se vocês se lembrarem de que é preciso se manter tranquilo, que a interrogação de uma identidade não poderá alterar esta forma de basculamento que irá ocorrer, onde, efetivamente, vocês não poderão mais nada definir, nem em cima nem embaixo, nem identidade nem não identidade, permitindo instalar-se na Última Presença, a Morada de Paz Suprema.

É aí que se realiza (e que irá se realizar, nós o esperamos, para cada vez mais numerosos Irmãos e Irmãs) o Absoluto.

O Apelo da Luz, o Apelo de MARIA, o Apelo pelo seu primeiro nome, além mesmo da percepção de toda Vibração dos elementos, em vocês, vai levá-los ao limiar, que não é um, deste instante de Hiper Presença, acompanhando-se, efetivamente, de uma beatitude a nada comparável, deixando muito longe toda noção de Alegria, toda noção de prazer ou de satisfação tal como a consciência pode vivê-la.

A perda de identidade e a perda de identificação os colocam então no Absoluto.

Esta experiência do Absoluto, que não é uma, vive-se fora de toda forma.

As funções fisiológicas, aliás, estão quase paradas.

Não tendo mais o sentido da identidade corporal, a parada da respiração, ou mesmo dos batimentos cardíacos, não se traduzem por qualquer problema, por qualquer pensamento.

O Absoluto, do qual nada pode ser dito, se descobre, neste instante.

E é neste instante que mais nada pode ser como antes e que tudo fica radicalmente diferente.

Mesmo voltando em meio à forma e mesmo voltando em meio à personalidade, ser-lhes-á extremamente fácil de ver que o desenrolar da sua vida ordinária jamais será igual.

Não existe mais a possibilidade de manifestar de novo ou de recair em qualquer personalidade, em qualquer luta, já que o Absoluto com forma realiza uma dissociação dos elementos que estavam presentes em meio à personalidade e que estavam inscritos no seu histórico e na sua história.

O contentamento é total.

Não pode mais existir qualquer falta, qualquer questão, qualquer interrogação nem, tampouco, qualquer dúvida.

Daí resulta a Liberdade a mais total.

Vocês não ficam mais submissos a qualquer circunstância deste mundo, enquanto estando plenamente presentes.

Eis a ação do Fogo Celeste, a título individual, que, em geral, é manifestada depois do Apelo de MARIA e, por vezes, até antes.

Vocês percebem, naquele momento, concretamente, que o que vocês sempre buscaram já estava, efetivamente, aí, e que apenas a localização da consciência não estava correta.

Vivendo esse Fogo Celeste, o Amor se torna realmente a Natureza do que vocês São.

Não existe mais qualquer dificuldade de projetar um ideal de Amor, nem mesmo uma consciência de amor, nem mesmo uma Vibração, porque isso é, naquele momento, a realização da Sua Natureza, além de todo Véu.

Esse Despertar não é simplesmente, vocês sabem disso, um despertar, mas realmente a Liberação que faz de vocês um Liberado Vivente.

Naturalmente, as modificações que acontecem, tanto no corpo, na consciência, como na Vida, não dependem mais de vocês, nem das suas ações e ainda menos das suas reações.

Isso foi denominado a Graça e é uma Graça.

Vocês estão plenamente implicados na Graça, na Vida e no Amor.

E essa é a mais bela das implicações porque ela não depende da ação da personalidade, ou mesmo da alma.

Estes momentos, estas fases, este Absoluto, são levados a se tornar cada vez mais frequentes entre os Irmãos e as Irmãs encarnados.

Nós já especificamos isso, o Absoluto põe fim, de maneira pessoal, ao Choque da Humanidade.

Não haverá, portanto, Choque da Humanidade para aqueles dos nossos Irmãos e Irmãs encarnados que viverem isso antes do Apelo coletivo de MARIA.

A Alegria, que é Interior, é claro, não depende de qualquer circunstância e eu diria, até mesmo, que nenhuma circunstância, qualquer que seja, pode alterar esta Alegria.

E isso é a sua característica essencial.

O Fogo Celeste é a Liberdade, é a Liberação de todo confinamento e de toda ilusão.

Lembrem-se também de que, entre vocês (e como isso foi dito por outros Anciãos), vocês têm a possibilidade, sem qualquer julgamento, de perceber claramente, sem mesmo requerê-lo, o que está atrás de toda aparência.

Dando-lhes a ver o que eu poderia denominar a alma dos Seres, a alma dos Irmãos e das Irmãs encarnados.

Isso é muito além da Visão Etérea ou da Visão do Coração: é um conhecimento imediato, sem passar por qualquer percepção, nem mesmo por qualquer interrogação.

A Sabedoria, naquele momento, será o seu atributo, porque, ainda que vocês percebam um Irmão ou uma Irmã, vocês sabem, de maneira indiscutível, que apenas faz parte do mesmo sonho que vocês vivem e que vocês compartilham.

O Fogo Celeste vai então radicalmente transformar, já a título individual, o que vocês nomeiam a vida, quando vocês estiverem deste lado do Véu.

Que existe ainda, obviamente.

Os Pilares e os meios de ali chegar foram dados a vocês desde vários meses.

Eu não irei retornar sobre isso.

Mas vocês não podem enganar vocês mesmos, a partir do momento em que não pode existir mais, em vocês, a menor questão sobre o que quer que seja.

E isso é natural, isso não é uma vontade.

Vocês serão até por vezes surpreendidos com não ter interrogação, nem com se colocar questão sobre o sentido do que é para viver e do que vocês vivem.

Cada vez mais, vocês irão manifestar, de maneira espontânea, sem buscá-lo, sem procurar meditar ou se Alinhar, este estado de Graça.

E ele irá preenchê-los a cada vez um pouco mais.

Vocês serão preenchidos, total e inteiramente.

O que podia afetá-los, que isso seja neste corpo que vocês habitam, ou nas suas relações, quaisquer que sejam, irá desaparecer muito simplesmente.

Vocês irão então, efetivamente e concretamente e inteiramente, se tornar a Transparência a mais total.

E vocês irão saber também que, qualquer que seja o olhar que for levado sobre vocês, por um Irmão ou uma Irmã que não esteja no mesmo estado, na mesma Consciência, vocês apenas poderão Amá-lo.

O que quer que vocês digam, o que quer que vocês façam, vocês terão definitivamente superado a interação da personalidade, em qualquer setor que seja da vida de vocês.

Se, todavia, uma emoção vier a ocorrer, se, todavia, uma interrogação, uma preocupação vier a ocorrer, vocês irão constatar por vocês mesmos que se instalando de novo, com uma facilidade cada vez mais desconcertante, na Luz que vocês São, tudo isso desaparece, não como uma fuga, mas, sim, como uma resolução.

Porque, na Transparência, nenhuma Sombra, de qualquer natureza que seja (uma das suas Sombras antigas ou as Sombras projetadas pelas almas que ainda não vivenciaram isso), pode, de maneira alguma, restabelecer o antigo.

Mesmo se vocês o desejarem, vocês não iriam consegui-lo, demonstrando, assim, que o que acontece não depende mais de qualquer ação / reação, de qualquer retribuição ou de qualquer punição.

Isso significa que, mesmo se vocês se forçarem para agir segundo uma personalidade que vocês conheceram, que era a sua antes de viver isso, vocês não poderão muito simplesmente fazê-lo.

Isso será impensável e impossível de aplicar, dando-lhes então, uma prova a mais, de que não há necessidade de ser levada a outros lugares, de que o que acontece é uma ruptura total da linearidade da personalidade.

Naquele momento, vocês sequer terão mais necessidade de viver qualquer deslocalização da consciência, qualquer viagem fora do corpo, que isso seja no Estado de Ser ou mesmo no Astral, porque absolutamente tudo será dado na Hiper Presença e na Última Presença: todas as fontes de Alegria, de Plenitude Suprema ali estão.

Tudo isso se desenrola agora e, ainda uma vez, cada um ao seu ritmo.

Vocês irão se apreender também de que não há que procurar este estado, porque ele está aí, à vontade.

Vocês terão, enfim, colocado fim à ilusão de uma busca qualquer.

A Paz não será mais um objetivo porque vocês serão a Paz.

Assim é Apelo do Fogo do Céu, assim é o Apelo da Luz, em sua forma a mais completa.

Naturalmente, vocês sabem que, vivendo isso, o seu papel é fundamental, não enquanto vontade pessoal ou a expressão de um alguma ação, mas que o seu estado e a sua Transparência agem sobre o mundo, um pouco da maneira que a Estrela SNOW lhes falou desde muito pouco tempo (Nota: intervenção de 19 de agosto de 2012).

O que vocês terão no Coração, naquele momento, é justamente que desaparecer de toda personalidade, de toda reação.

E isso não irá lhes causar qualquer problema, mesmo se isso causar, evidentemente, às almas dos Irmãos e Irmãs que ainda não estão nisso.

E lembrem-se, sobretudo, como dizia UM AMIGO, de que nada há a fazer, principalmente nada fazer (Nota: intervenção de 18 de agosto de 2012).

Obviamente, vocês podem sentir, cada vez mais frequentemente, Presenças, sem mesmo solicitá-las, como eu o expliquei, do seu lado esquerdo.

Essas Presenças irão se tornar habituais e cotidianas.

Para vocês, a separação Dimensional terá encerrado e vocês irão se surpreender, dentro de pouco tempo, se isso já não ocorreu, com poder se comunicar como vocês se comunicam com um Irmão e uma Irmã em encarnação.

Isso não acontece pelas palavras, mas é um contato direto, que não é mais simplesmente a telepatia, mas, sim, uma Comunhão direta que se expressa, aqui mesmo, no espaço, no tempo e no corpo em que vocês estão, já que vocês não dependem mais deste tempo, deste espaço e deste corpo.

O que, para alguns de vocês, pode parecer distante ou impossível, vocês irão se aperceber de que vocês vivem isso sem qualquer dificuldade.

Nada há a procurar porque isso é natural, aí também.

Assim é a ação do Fogo Celeste que vem queimar os últimos Véus da ignorância, coletivamente como individualmente.

A vida irá se tornar a Graça para vocês e irá preenchê-los de Graças, não conforme as necessidades da personalidade, mas conforme a Verdade do Espírito.

O Samadhi não terá mais sequer que ser vivenciado na interioridade ou na interiorização.

Ele será cada vez mais permanente, o que quer que vocês façam.

Mesmo se houver momentos de reajustamento, com a ocultação da Consciência, ou a incapacidade para realizar, durante o Apelo da Luz, uma atividade particular, tudo isso será rapidamente superado, permitindo-lhes encontrar a mesma Beatitude ao olhar a Natureza, ao olhar o Sol e ao olhar ainda um Irmão ou uma Irmã que iria se opor a vocês, mesmo violentamente.

Vocês não são mais concernidos por isso.

Vocês não estão indiferentes.
Vocês não estão na indiferença total ou na ignorância.

Mas o estado desta Infinita Presença e desta Beatitude é a resposta, e a única resposta possível.

E esta resposta não será, em caso algum, uma reação situando-se em outro nível que a Beatitude.

Isso irá se tornar, portanto, cada vez mais familiar, cada vez mais cotidiano.

Vocês irão constatar também que não poderá existir a menor flutuação do humor, a menor flutuação da energia vital, da sua vitalidade.

Vocês estarão instalados, em todos os níveis, na permanência da Beatitude.

Aí está a Liberação e é ao que o Apelo de MARIA, ou o Apelo da Luz, vai levá-los, inexoravelmente.

Deste desprendimento e, sobretudo, desta Beatitude, irá resultar a facilidade da Ascensão, a facilidade do Serviço, além de qualquer vontade.

A Irradiação desta Hiper Presença ou desta Infinita Presença irá permitir-lhes sentir isso, não mais somente como uma aura, mas como um vasto campo de energia podendo, concreta e efetivamente, recobrir toda a Terra, sem qualquer vontade.

A expansão desta Consciência, além da aura, além de todo corpo sutil, irá surpreendê-los, mas vocês ali irão se habituar bem depressa.

Assim é a ação do Fogo Celeste, assim é a ação da Infinita Presença e do Absoluto.

Vocês não podem, nem se enganar, nem colocar em dúvida, nem mesmo duvidar do que é vivido, para vocês.

Tudo isso não é nem um sonho, nem uma projeção, mas, sim, a ação do Fogo Celeste devolvendo-os a vocês mesmos.

Eu o reitero, este estado é natural, mesmo se houver fases, mesmo se houver etapas.

O momento em que isso for inteiramente vivenciado, isso se torna a sua verdadeira Natureza, bem longe de toda identidade anterior e bem longe de toda preocupação anterior.

A Graça poderá, real e concretamente, fornecer isso a vocês e fazê-los viver o que for necessário.

Vocês não poderão mais, e cada vez menos, estar de qualquer maneira desestabilizados, pelo que quer que seja.

Aí está a Liberdade.

Estando instalados nesta Última Presença, vocês terão definitivamente saído do tempo, enquanto realizando o que a vida lhes pede para realizar, com cada vez mais facilidade e com cada vez mais evidência.

Eis ao que, meus Irmãos e minhas Irmãs, vocês estão convidados.

E isso não é certamente uma dificuldade, certamente não alguma coisa distante, uma vez que isso já está aí.

Como diria BIDI: mudem o olhar, tão simplesmente.

Não como uma visão intelectual, mas, realmente, transladando a sua Consciência.

Não por um esforço, mas, sim, por um Abandono.

Assim é o Fogo Celeste.

Vocês não estarão então mais, de modo algum, sujeitos ao Choque da Humanidade.

Aí está o sentido do Apelo de MARIA e do Apelo da Luz, a título individual.

Nós não duvidamos, porque nós o vemos, a cada dia, que vocês são cada vez mais numerosos em se Despertar totalmente.

Assim é a ação do Fogo Celeste, fazendo-os descobrir a Luz Azul do Éter, a Liberdade da Luz e do Amor.


Bem Amados Irmãos e Irmãs,
eu rendo Graças pela sua escuta e pela sua Presença.

E eu lhes digo até muito em breve.

Até logo.
fonte:

 
Mensagem do Bem Amado SRI AUROBINDO,
pelo site Autres Dimensions
em 22 de agosto de 2012
 

Curiosidades da MAÇONARIA

NOTA DO DÓLAR:

 
Na nota, o topo da piramide, é aonde está o divino. Eles colocam que esta parte superior (a ponta) pertence a maçonaria, a todos que fazem parte desta religião. O restante da população pertencem a parte inferior, a parte de baixo, pois não enxergam o divino porque não possuem as sabedorias.


A Palavra "MASON" escrita na nota de um dólar.
A imagem fala por si mesma. Se você pegar uma caneta e desenhar o Símbolo de Salomão em uma nota de um dólar, as pontas da estrela formarão a palavra "Mason" (maçom) e a parte de cima fará o topo da Pirâmide. Eu já ouvi da boca de um cético bem famoso que "isso é muito provavelmente apenas uma coincidência". Então tá, né?



 
 
Todos os graus sitados abaixo são de grande sabedorias divinas, porem todas ocultadas por eles. Seus ensinamentos são praticados secretamente por seus grupos.
No topo da piramide está os que enxergam a DEUS.


OS 33 GRAUS.

O aprendizado maçom está dividido por etapas. Cada etapa é desenvolvida numa Câmara própria, com seus respectivos graus. São elas: Lojas Simbólicas (do 1o. ao 3o. grau), Lojas de Perfeição (do 4o. ao 14o. grau), Capítulos (do 15o. ao 18o. grau), Conselhos de Kadosch (do 19o. ao 30o. grau), Consistórios (31o. e 32o. graus) e Supremo Conselho (33o. grau).

1o. GRAU : APRENDIZ - O Aprendiz deve, acima de tudo, saber aprender. É o primeiro contato com o Simbolismo Maçônico. Aprende as funções de cada um no templo e sempre busca o desenvolvimento das virtudes e a eliminação dos vícios. Muitos maçons antigos afirmam que este é o mais importante de todos os graus.

2o.GRAU : COMPANHEIRO - A fase de Companheiro propicia ao maçom um excepcional conhecimento de símbolos, além de avanços ritualísticos e desenvolvimento do caráter.

3o.GRAU : MESTRE - É o chamado grau da plenitude maçônica. No âmbito do Simbolismo (Lojas Simbólicas) é o grau mais elevado que permite ocupar quaisquer cargos. O Mestre possui conhecimentos elevados da história e objetivos maçônicos.

4o.GRAU : MESTRE SECRETO - Neste grau, além de outros conhecimentos, o maçom aprende as virtudes do Silêncio. Avança, fantasticamente, no conhecimento de símbolos utilizados na Maçonaria em geral.

5o.GRAU : MESTRE PERFEITO - Aprende-se no 5o. grau a meditação interior. Privilegia este grau, o princípio moral de render culto à memória de honrados antepassados. Completa o conhecimento dos graus anteriores.

6o.GRAU : SECRETÁRIO ÍNTIMO ou MESTRE POR CURIOSIDADE - É dedicado à necessidade de se buscar o conhecimento, sem o qual não há progresso. Contudo, adverte para a vã curiosidade, capaz de gerar malefícios. Investiga-se a miséria social e as maneiras de combatê-las, dentre outras coisas.

7o.GRAU : PREBOSTE E JUIZ ou MESTRE IRLANDÊS - Neste grau estuda-se a eqüidade, os princípios da Justiça, o Direito Natural e alguns princípios éticos da liderança.

8o.GRAU : INTENDENTE DOS EDIFÍCIOS ou MESTRE EM ISRAEL - Dedica-se a estudar a fraternidade do homem através de valores como o trabalho e o direito à propriedade. Combate à hipocrisia, à ambição e à ignorância.

9o. GRAU: MESTRE ELEITO DOS NOVE - Estuda-se a realidade dos ciclos, as forças negativas e a força da reconstrução.

10o.GRAU : MESTRE ELEITO DOS QUINZE - Estuda-se a extinção de todas as paixões e as tendências pouco proveitosas, censuráveis.

11O.GRAU : SUBLIME CAVALEIRO ELEITO ou CAVALEIRO ELEITO DOS DOZE - Dedica-se à regeneração.

12o.GRAU : GRÃO-MESTRE ARQUITETO - Estuda o poder da representação popular.

13o.GRAU : CAVALEIRO REAL ARCO - Estuda os magos pontífices do Egito e de Jerusalém.

14o.GRAU : GRANDE ELEITO ou PERFEITO E SUBLIME MAÇOM - É o grau mais alto das Lojas de Perfeição. Proclama o direito inalienável da liberdade da consciência. Defende uma educação digna para que o homem possa ter governantes que assegure direitos e obrigações compatíveis.








15o.GRAU : CAVALEIRO DO ORIENTE - Dedica-se à luta incessante para o progresso pela razão.

16o.GRAU : PRÍNCIPE DE JERUSALÉM - Estuda a vitória da liberdade como consequência da coragem e perseverança.

17o.GRAU: CAVALEIRO DO ORIENTE E DO OCIDENTE - Explora o Direito de reunião.

18o.GRAU : CAVALEIRO ROSA-CRUZ - É dedicado ao triunfo da Luz sobre as Trevas. É a libertação pelo Amor.

19o.GRAU : GRANDE PONTÍFICE - Fala sobre o triunfo da Verdade, estuda o pontificado.

20o.GRAU : MESTRE AD VITAM - É consagrado aos deveres dos Chefes das Lojas Maçônicas.

21o.GRAU : NOAQUITA ou CAVALEIRO PRUSSIANO - Estuda os perigos da ambição e o arrependimento sincero.

22o.GRAU : CAVALEIRO DO REAL MACHADO ou PRÍNCIPE DO LÍBANO - Estuda o trabalho como propagador de sentimentos nobres e generosos.

23o.GRAU : CHEFE DO TABERNÁCULO - Dedica-se à vigilância dos valores propagados pela Ordem e ao combate da superstição.

24o.GRAU : PRÍNCIPE DO TABERNÁCULO - Dedica-se à conservação das doutrinas maçônicas.

25o.GRAU : CAVALEIRO DA SERPENTE DE BRONZE - Dedica-se ao combate ao despotismo.

26o.GRAU : PRÍNCIPE DA MERCÊ ou ESCOCÊS TRINITÁRIO - Estuda princípios de organização social através da Igualdade e Harmonia.

27o.GRAU : GRANDE COMENDADOR DO TEMPLO - Defende princípios de governo democrático.

28o.GRAU : CAVALEIRO DO SOL ou PRÍNCIPE ADEPTO - Estuda a Verdade.

29o.GRAU : GRANDE ESCOCÊS DE SANTO ANDRÉ - É dedicado à antiga Maçonaria da Escócia.

30o.GRAU : CAVALEIRO KADOSCH - Fecha o ciclo de estudos no Kadosch. É um grau de estudos profundos a respeito do Simbolismo e Filosofia Maçônicos.

31o.GRAU : GRANDE JUIZ COMENDADOR ou INSPETOR INQUISIDOR COMENDADOR - Estuda o exame de consciência detalhado. Só os conscientes podem ser justos.Estuda-se História.

32o.GRAU : SUBLIME CAVALEIRO DO REAL SEGREDO : Estuda o poder militar.

33o.GRAU : SOBERANO GRANDE INSPETOR GERAL : É o último grau. Fecha o ciclo de estudos. É, em última análise, o maçom mais responsável ( pois todos o são!) pelos destinos da Maçonaria no país (no que tange ao Filosofismo).É o guardião, mestre e condutor da Maçonaria.

OBS.: O objetivo foi dar uma visão geral de cada um dos graus. Evidentemente os mesmos tem muito mais conteúdo do que foi comentado. Bons livros de Maçonaria, dedicados ao público em geral, podem - com certeza - subsidiar de forma mais apropriada àquele que pretenda saber mais. Há livros que comentam quase tudo da Maçonaria. Os verdadeiros segredos, contudo, permanecem exclusivos: palavras de passe, os toques e os diversos sinais.

Os 12 Sintomas do Despertar



 

1-Dores no corpo e sofrimentos, especialmente no pescoço, ombros e costas. Isto é o resultado de intensas mudanças no seu nível de DNA, enquanto a "semente Crística" é despertada interiormente. Isto também passará.

2-Sentimento de profunda tristeza interna sem aparente razão. Você está soltando seu passado (dessa vida e de outras) e isto causa o sentimento de tristeza. Isto é semelhante a mudar-se de uma casa na qual você viveu por muitos, muitos anos para uma nova casa. Por muito que você queira mudar-se para uma nova casa, existe uma tristeza por deixar as memórias para trás, energias e experiências da velha casa. Isto também passará.

3-Chorar sem razão aparente. Semelhante ao item 2 acima. É bom e saudável deixar as lágrimas fluírem. Isto ajuda a soltar a velha energia interna. Isto também passará.

4-Repentina mudança no trabalho ou carreira. Um sintoma muito comum. Como você muda, coisas a sua volta igualmente mudarão. Não se preocupe em achar o emprego "perfeito" ou carreira agora. Isto também passará. Você está em transição e poderá fazer várias mudanças de empregos até se estabelecer em algum que caiba sua paixão.

5-Afastar-se das conexões familiares. Você está conectado com sua família biológica via velho carma. Quando você sai do ciclo cármico, os vínculos das antigas conexões são soltos. Vai parecer que você está afastando-se de sua família e amigos. Isto também passará. Depois de um período de tempo, você pode desenvolver uma nova conexão com eles, se isso for apropriado. Porém, a conexão será baseada na nova energia sem elos cármicos.

6-Padrões de sono pouco comuns. É provável, que você acorde muitas noites entre duas e quatro horas da manhã. Há muito trabalho sendo feito em você, e isso muitas vezes faz você acordar para dar uma respirada" . Não se preocupe. Se você não puder voltar a dormir, levante-se e faça alguma coisa. É melhor do que deitar na cama e preocupar-se com coisas humanas. Isto também passará.

7-Sonhos intensos. Nestes podem ser incluídos sonhos de guerra e batalhas, sonhos de caçadas e sonhos com monstros. Você está literalmente soltando a velha energia interna, e estas energias do passado são muitas vezes simbolizadas como guerras, corridas para escapar e o "bicho papão". Isto também passará.

8-Desorientação física. Em tempos você sentirá muito sem chão. Você estará "mudando espacialmente" com a sensação de que você não pode por os dois pés no chão, ou que você está andando entre dois mundos. Conforme sua consciência muda para a nova energia , seu corpo algumas vezes "atrasa-se" e "fica para trás", isto é, ele não acompanha. Gaste mais tempo na natureza para ajudar a aterrar a nova energia interior. Isto também passará.

9-Aumento da "conversa consigo mesmo". Você encontrar-se-á conversando com seu "Eu" mais freqüentemente. Você de repente perceberá que esteve batendo papo com você mesmo pelos últimos 30 minutos. Existe um novo nível de comunicação tomando lugar dentro do seu ser, e você está experimentando a "ponta do iceberg" com a "conversa consigo mesmo". As conversas aumentarão, e se tornarão mais fluídas, mais coerentes e com mais visões interiores. Você não está ficando maluco. Você é apenas Shaumbra movendo-se para a nova energia.

10-Sentimentos de solidão, mesmo quando em companhia de outros.Você pode sentir-se sozinho e longe dos outros. Você pode sentir desejo de evitar grupos e multidão. Como Shaumbra, você está percorrendo um caminho sagrado e solitário.Tanto quanto os sentimentos de solidão causem ansiedade, é difícil, neste tempo, contar sobre isto a outros.Estes sentimentos de solidão estão
associados ao fato de seus Guias terem partido. Eles estiveram com você em todas as suas jornadas, em todos os cursos de suas vidas. Era tempo deles se afastarem, assim você ocuparia esse espaço com sua própria divindade . Isto também passará. O vazio interior será ocupado com amor e energia de sua própria consciência Crística.

11-Perda da paixão. Você pode sentir-se totalmente desapaixonado, com pouco ou nenhum desejo de fazer qualquer coisa. Isto está certo, e isto é apenas parte do processo. Pegue este tempo para fazer nada mesmo. Não lute com você mesmo por isso, porque isto também passará. É semelhante a reprogramar um computador. Você precisa fechar por um breve período de tempo para
poder carregar com o novo e sofisticado software, ou neste caso, a nova energia da semente Crística.

12-Um profundo desejo de ir para Casa. Esta talvez seja a mais difícil e desafiante de qualquer uma das condições. Você pode experimentar um profundo e irresistível desejo de voltar para Casa. Isto não é um sentimento suicida. Não é baseado numa frustração ou raiva. Você não quer fazer um grande negócio disto ou causar drama para você mesmo ou para outros. Tem uma quieta parte de você que quer ir para Casa. A raiz que origina isto é bastante simples. Você completou seus ciclos cármicos. Você completou seu contrato para esta duração de vida. Você está pronto para começar uma nova vida enquanto ainda está neste corpo físico.

Durante este processo de transição você tem lembranças interiores do que é estar do outro lado. Você está pronto para alistar-se para outra viagem de serviço aqui na Terra? Você está pronto para um contrato de desafios de mudanças em direção à Nova Energia. Sim, na verdade você pode ir para Casa agora mesmo. Mas, você veio até aqui, e depois de muitas, muitas vidas seria um pouco frustrante ir embora antes de ver o final do filme.

Além disso, O Espírito precisa de você aqui para ajudar outros na transição para a nova energia. Eles precisarão de um guia humano, como você, que fez a jornada da velha energia para a nova. O caminho que você está percorrendo agora fornece as experiências que te habilita a vir a ser um Professor para o Novo Humano Divino.Tão solitária e escura que sua jornada possa ser às vezes. Lembre que você nunca está só.

Direitos de cópia 2006 de Geoffrey Hoppe, Golden,CO. Preparado em colaboração de Tobias do Círculo Carmesim. Por favor, distribua gratuitamente sem propósitos comerciais.

Traduzido por Selma Gentil Ribeiro Gonçalves.
Florianópolis-Santa Catarina.
e-mai:
selmasolua@hotmail.com.br

domingo, 5 de agosto de 2012

Os 5 grupos em evolução no planeta. Os Star Seed. Crianças Indigo


Há 5 tipos diferentes de seres evoluindo no reino humano. Estas divisões não são rígidas, existem excepções, ou porque se trata de seres extremamente evoluídos ou de seres extremamente atrasados ou porque são seres que, de algum modo, ocupam zonas de transição entre estes 5 níveis.

Esta escala pode-nos ajudar a compreender mais rapidamente porque é que fomos atraídos ou repelidos de um ambiente, ou porque é que determinada pessoa está próxima de nós ou subitamente se afasta.

Este planeta não existe em nenhuma dimensão estável, nós estamos num planeta que entrou nos anos 80 na dimensão três e meio, significa que todas as nossas experiências tendem para a hibridação. Todo o doce traz o seu elemento de amargo, todo o amargo traz o seu elemento de doce, toda a solidão é passível de ser interpretada como um convite a outro tipo de acompanhamento, todo o convívio pode revelar-se francamente estéril na proporção em que tu tens necessidade de te aprofundar.

Nós não estamos numa fase em que não existem experiências absolutas fora de nós, porque o planeta está a esvaziar rapidamente os seus reservatórios de energia que alimentavam o modelo da terceira dimensão e está a ser reabastecido com energia que visa a reformulação do jogo de forças para desmaterializar a Terra e rematerializá-la noutro contínuo. Este salto dimensional é aquilo que neste momento a entidade Terra se está preparando para dar.

Actualmente temos um número de seres que não mais pertence à evolução humana, ele atrasou-se de tal forma que os atractores entre o espírito e os elementos (átomos permanentes) perderam qualidade de constituição humana. Atrasaram-se tanto no caminho cósmico e desfasaram-se tão profundamente da escola terrestre, que não se pode dizer mais que pertencem ao reino humano, eles podem até ter uma forma andróide, mas, energeticamente, não pertencem ao reino humano. Eles estão sobretudo no plano astral e daí controlam pirâmides de condicionamento hipnótico que vão desaguar na mente das massas. Estes seres desfasaram-se de tal forma da evolução humana que não podem sequer reencarnar, nem religar-se à forma e ao corredor ascendente. É um número muito reduzido, serão reconduzidos a evoluções que se encontram no princípio da oscilação matéria/energia. Têm que readquirir, de novo, em níveis abissais em termos de tempo, a capacidade que a mónada tem de se vincular à matéria evolutiva. Então, temos um clube de magos negros com que não nos ocupamos especialmente – 1º grupo.

O 2º grupo de seres, vastíssimo neste planeta, são os inertes. São seres que se encontram dentro do reino humano, respondendo aos limites básicos da condição humana, vibrando minimamente de acordo com as leis essenciais da convivência entre os homens, contudo, há muitas vidas (2000 anos ±) que não respondem ao impulso evolutivo, ou respondem nos mínimos. Significa que um indivíduo que era um mercenário na antiga Roma, hoje continua a ser um mercenário.

Um indivíduo básico há 2000/3000 anos atrás, hoje, continua com o mesmo enquadramento energético, respondendo aos mesmos estímulos e vivendo da mesma forma.

Este 2º grupo é muito vasto e inclui também seres que sendo completamente inertes, só respondem a uma energia superior quando a disciplina da dor aguda tem de ser invocada pelo seu próprio espírito, são seres que só respondem ao magnetismo superior quando a dor atinge níveis muito profundos, muito especialmente na dor física e emocional.

O 3º grupo de seres são os vacilantes. Eles vivem em dois estados de consciência, respondem ao chamado, buscam estar frente tanto quanto possível a esse chamado, têm uma consciência estável de que o Universo não termina nos níveis imediatos da experiência, experimentam um tédio profundo com as soluções da nossa civilização, sentem um chamamento magnético sério, autêntico, para o caminho superior, no entanto, não estão dispostos a passar pela disciplina oculta que os retira da vacilação.

Depende de quem for o “senhor” na sala, de quem for a “força” presente em casa, do meio ambiente. Eles ainda não aprenderam a transmutar as energias do meio ambiente e, portanto, a transformar-se num dínamo de luz. Se o meio ambiente for positivo, expansivo, criador, libertador, são capazes de acolher essa vibração nos seus corpos, amá-la, cultivá-la o mínimo e procurar permanecer dentro dessa vibração, mas se a vibração subitamente se altera, ou se o ambiente é degenerativo, involutivo, tóxico, negativo, eles também facilmente acolhem isso e deixam-se adormecer no embalo das forças involutivas. Os vacilantes é um imenso grupo humano.

Então, nós temos os refractários à luz que têm que recomeçar a evolução a partir do Alfa, novamente. Depois temos os inertes que são seres que não respondem à vibração superior, mas também não ousam atravessar outras portas inferiores, justamente porque são inertes.

Depois os vacilantes que são seres que são como um cata-vento, não têm energia própria, reflectem energia do meio ambiente. A grande qualidade que vem em auxílio do vacilante é a tristeza. Se o vacilante não sente tristeza, angústia, desamparo, estupidificação, rudeza, mediocridade no seu ser ele poderá permanecer vacilante indefinidamente. Então, o motor do vacilante é o mal estar, é através do mal estar que o vacilante aprende a aquiescência, a obediência oculta ao controle exercido pela sua própria alma. Ele devia ter no mal estar o seu maior mestre. O mal estar psicológico, uma sensação de desfasamento entre o que ele vive e o que ele é, a confusão entre o centro e a circunferência, a indefinição de uma afirmação de princípios orientadores superiores, a falta do fogo de Sagitário que é o que define especificamente o vacilante, ele não tem um magnete que o mantém coligado, indefinidamente, ao seu próprio caminho.

O 4º grupo são os despertos, progressivamente firmes, lúcidos e preparando-se para a acção.

O 5º grupo pode ser definido como as sementes de estrela. Este é também um grupo relativamente reduzido, são algumas centenas de milhar no planeta, apenas.

Enquanto que os 4 primeiros grupos são seres da escola da Terra, as sementes estrela não são da Terra. São seres cuja dimensão de amor era suficientemente potente para que eles se apaixonassem especificamente neste período crítico do planeta, e as sementes estrela são completamente diferentes dos que evoluem na escola terrestre, têm dificuldade em sentir o leque de emoções humanas disponível: paixão, fixação; apego, confusão mental; cobrança emocional. O corpo emocional deles não vibra com estas coisas e, invariavelmente, têm respostas emocionais muito profundas a coisas que para a maior parte dos seres humanos são apenas vagamente interessantes, ou seja, têm respostas emocionais muito profundas às grandes árvores, às estrelas às três e meia da manhã no alto da colina, ao comportamento dos golfinhos, à telepatia infantil, às lágrimas de prata que não se confundem com as de sal. A lágrima de prata é o momento em que o peregrino espiritual deu o seu máximo e fica aguardando a mão do Mestre.

Estas sementes de estrela vêm fazer uma enxertia de raças por um processo de osmose de consciência na transição planetária (a consciência tem impacto sobre o ADN).

Actualmente este vaso onde evoluímos está a ser submetido à lei da economia, num nível muitíssimo mais forte do que até hoje. Significa que as relações entre estes 5 grandes grupos humanos estão a ser sintetizadas, de forma que, se te manténs alinhado, correcto, simplificado, lúcido dentro da vibração que te qualifica, vais encontrar seres do grupo que te corresponde.

Os refractários sofreram uma fossilização da consciência e não respondem à evolução.

Os inertes, pela vibração que desenvolveram nos seus corpos, não podem continuar na Terra. A escola terrestre vai subir uma oitava e vai passar a ter como vibração mínima, a vibração do amor fraternal. Presentemente a vibração mínima é a da sobrevivência, é a básica – chacra da raiz – é a fonte de motivação psicológica do comportamento humano. Na nova Terra o ponto de partida é a vibração da fraternidade, e os inertes não podem responder a esta energia. Seria uma violência estes seres serem obrigados a permanecer na nova Terra, porque não têm forma como interagir com este novo universo, seria extremamente doloroso para eles, porque não teriam feito o aprendizado plástico que conduz minimamente à fraternidade. Estes seres já estão desencarnando em grandes quantidades e a ser levados por condutos internos às suas novas moradas, que correspondem à equação de dor/conflito específica para fazê-los sair da concha comportamental na qual se auto encerraram nos últimos milénios.


Então, esta nova morada é um acto de amor para estes seres. Quando observamos que desapareceram 20.000 pessoas em 10 minutos, o mais certo é a maior quantidade desses seres, que abandonaram a dimensão física, terem sido conduzidos para novos pontos no cosmos.

Assim como a mãe Terra está dispensando espécies que não correspondem mais à organização de evolução de consciência que ela busca fazer nos próximos tempos, muitas espécies estão a desaparecer por impacto ecológico, outras estão a desaparecer porque a mãe Terra está a preparar novos veículos, novos vasos biológicos para consciências e para as mesmas essências que se exprimiam através daqueles seres. Diariamente desaparecem 12 a 15 espécies, incluindo insectos.

Da mesma forma que a transformação da biosfera terrestre está a acontecer, também a humanidade está a sofrer uma limpeza e uma selecção. Então, nós temos todos os inertes a serem conduzidos, amorosamente, para outras moradas cósmicas.

O grupo dos vacilantes, finalmente, está prestes a entrar em pânico, porque o vacilante só sai daquele ponto quando entra em pânico, não no sentido da instalação de uma esquizofrenia temporária entre ele e o exterior, não, pânico no sentido em que os instrumentos dele, a leitura que ele faz da realidade e o conforto que ele sente em passar de uma porta para outra, de um Senhor para outro “senhor”, de um mundo para outro, termina, não funciona mais. As portas começam-se a fechar e é cada vez mais difícil para o vacilante retornar ao passado ou retornar ao futuro. Cada vez que um vacilante hesita entre o passado, a cauda, o velho, o superado, o venenoso e a nova condição planetária, neste momento, a porta que antes abria e fechava tranquilamente, começa a ficar rígida, e portanto, a energia, o carma, a impressão de perca de combóio que o vacilante começa a ter é cada vez mais forte e ele começa a sentir tristeza, angústia, desfasamento, alienação e, finalmente, pode atingir, dentro do relógio terrestre, o ponto de crise que o retira da condição de vacilante para a de vigilante (obviamente que não há aqui separações rígidas, isto é uma gradação de consciência).

À medida que os super visionadores da evolução deste planeta terminam as contas e à medida que o balanço é feito, o ciclo cumpre-se e os vacilantes precisam de saltar para a plataforma de resgate.

Resgate, no sentido da ascensão dum planeta, não é uma frota extraterrestre que te vem buscar ao vale, resgatando o teu corpo físico, isso, inclusive, está preparado, mas resgate verdadeiramente é a passagem facilitada pelos vigilantes para as plataformas de luz do ser. Tu és uma realidade multi dimensional, tens dentro de ti as grandes prisões e os grandes espaços siderais.

O vigilante já não está só vigiando por ele, se tu te sentes um vigilante (um ser com um mínimo de vacilação), um ser magnetizado na realidade pura, que chama dentro de ti, qualificado pela tua espiritualidade até às últimas consequências, tu és um vigilante. Tu és o umbral de centenas de seres.

A fortificação do teu ser, arquitectonicamente, no limiar do tempo, é uma condição de resgate para centenas de pessoas.

O vacilante caracteriza-se por um ser completamente idiotizado quando não está em contacto com o seu ser profundo – coisa que não acontece com os outros – e um inspirado quando em contacto com o seu ser profundo.

Enquanto nós estamos num ciclo em que a alma faz a manutenção da nossa personalidade, tu podes ter qualquer comportamento que a alma sustenta, ou seja, mantém a inteligência, o poder de análise, de decisão, de intervenção, o poder de funcionar no mundo. Quando o ciclo termina e quando a personalidade já está esculpida o suficiente, os comportamentos humanos comuns tornam-se esgotantes.

Quando um ser humano tem um dia absolutamente normal, digo, honesto, são, coerente com os seus princípios e chega ao fim do dia exausto, significa que ele não nasceu para ser normal. A alma dele não apoia mais a vida normal, porque vida normal é o estágio da consciência que colocou o planeta no estado sócio económico em que ele se encontra.

Exemplo de normal: 1º – É considerado normal gastar por minuto em armamento o que não se gasta em 3 anos em saúde.

2º – A taxa Toblin foi criada por um economista nos anos 70 que define que: se por cada transacção internacional entre países fosse cobrado 0,005% da transacção pelas Nações Unidas, e se esse dinheiro fosse entregue às N.U., a dívida do 3º mundo desaparecia em três semanas. Ao fim de 1 ano tínhamos hospitais, escolas e universidades por toda a África Central. A taxa Toblin foi considerada irrealista.

Foi a consciência normal que decidiu que esta taxa era inaplicável.

Dias normais não mais podem prover o campo de sustentação que mantém a tua consciência acima da sonolência.

À medida que os vacilantes se firmam nos seus postos, transformam-se em passagens, em vibração condutora para centenas de vacilantes. Quem é que estarás encontrando nos próximos meses? Dezenas e dezenas de vacilantes. Um vacilante que tu podes ajudar é comparável a um ovo com o período de chocagem quase pronto e o vacilante vem ter convosco para vocês se sentarem em cima dele, uns minutos, até sentirem a casca quebrar. Existem milhares e milhares de seres cujo Cristo penetrou a rede de consciência e fala no interior deles mas a passagem da boa vontade para a vontade boa ainda não se fez nestes seres. Então, eles vêm ao teu campo vibratório para ser chocados, para que lhe seja dado, secretamente, pelo teu tom de voz, pelo brilho do teu olhar, pelo magnetismo que irradia de ti, pelo teu silêncio, vêm para receber o último estímulo que lhes dá a coragem, a segurança, o calor, a ternura que propicia eles saírem da casca e assumirem-se como seres em progressão espiritual, e um vigilante hoje é absolutamente precioso porque ele contém, em si, exactamente o que a humanidade como um todo mais necessita, que é afirmação clara de que há um caminho e que há hierarquias que chamam.

O fogo é o elemento em ti que te leva a persistir mesmo que todas as forças tenham sido esgotadas: as energias físicas – terra; as emocionais – água; as mentais – ar. Todas são esgotáveis, mas o fogo em ti – o fogo é a tradução da mónada na estrutura psíquica – é inesgotável, vai estando constantemente impelindo-te para a frente. Os próximos 10 anos são de fogo ou de trevas, não são anos de ideologia ou de troca de manutenção de regimes emocionais velhos, nem de conquistas físicas, eles vão ser anos de fogo ou de obscuridade. Este fogo é o agente em ti que permanece impulsionando, em qualquer estado estás sendo estimulado e à medida que ele evolui, esse estímulo rompe e torna-se plenamente consciente.

O fogo é aquilo em ti que avança destemidamente, que conquista onde a humanidade hesita. Quando tu caminhas com essa chama, nesta altura dos acontecimentos, estás a atrair para ti massas de elementais para serem dissolvidos nessa chama.

Um elemental criado por métodos mágicos faz turismo pelo universo até se resolver. Sempre que pões a tua vontade numa coisa que não é totalmente clara, por exemplo, um mau pensamento a que tu deste força, aquilo começa a girar em torvelinho e se continuas a dar força, o torvelinho aumenta e a partir de um certo grau de poder giratório aquilo ganha esfericidade e vai em busca da vítima.

Os seres humanos “normais” produzem elementais negativos às centenas por dia, desde os mais inofensivos: de tu resmungares com o homem da bomba de gasolina, até aos mais perigosos que é, tu manteres um rancor estruturado, geométrico, energizado, durante anos.

Ser comum é libertar “coisas” inconscientemente, os seres vivem em roldão, as forças puxam para a esquerda e eles vão, depende da maré, e este ser como é um micro criador, constantemente liberta forças de si. A atmosfera urbana está saturada de elementais, de esferas de energias com intenção.

Quando um ser amadurece espiritualmente, começa a perceber que não nasceu para a felicidade, mas para a alegria que é o toque da alma.

Fica lúcido, tu já não és um ser em carência, vamos parar com o drama do “pobrezinho de mim”, ou de “eu tenho um problema, eu sou um problema”, vamos sair do nível psicológico, senão nunca mais te encontras com a tua tarefa.

Enquanto eu me defino como portador de problemas eu estou alienado no que vim aqui fazer. Renuncia ao gozo de estares envolvido em novelos de problemas próprios, renuncia ao plexo solar!

Concentra-te e actua, não te preocupes. Concentração/acção. É pela intensidade do teu amor, pela lucidez da tua consciência, pelo alinhamento da tua vontade que o campo vibratório à tua volta se ritualiza. A invocação mais poderosa de todas é a entrega e o vazio constantes. A entrega como resultado de uma compreensão filosófica, alquímica e oculta de Deus, isto é, o Pai a partir do momento em que tu foste formado como um vigilante, busca a tua entrega para Ele poder descer.

Quem criou o teu problema senão a tua personalidade? Foi o pequeno ser em baixo achando que sabe.

Enquanto eu tenho um ritual, durante o momento do ritual eu comuto dimensionalmente é para isso que servem os rituais. O ritual é um comutador de dimensões, as comportas da minha consciência superior abrem-se, há uma inibição voluntária das vibrações inferiores (social e psicológica) e eu sofro uma transfiguração momentânea durante o ritual.

O grande ser cuja nova energia é a sacralização do campo energético do homem, é aquele a que antigamente se chamava Saint Germain. Este grande ser tem como meta sacralizar os metros em torno do teu ser. Significa que a cidade recua e tu avanças, que os adereços desaparecem.

Estes vigilantes estão a ser aperfeiçoados para o grande abraço, que é dar de si, do divino para o divino do outro.

Neste momento convivem claramente duas dimensões: a 3ª (ou o que resta dela) e a 4ª dimensão e nós vamos observar alternâncias muito intensas de uma para a outra em nós. Significa que na mesma hora podemos ter uma variação emocional e psicológica que antes tínhamos ao longo de um mês ou de uma semana. A consciência individual está-se a treinar no salto para a identificação com o eu superior. A realidade à tua volta, subitamente, torna-se dolorosa. Se tu reagires com a antiga postura vais sentir dor, conflito, empobrecimento energético. Se eu reagir a partir do nível intuitivo do meu ser (a nova postura), eu permaneço tranquilo e tudo pode acontecer.

Estamos a observar em dezenas e dezenas de casos essas comutações súbitas nas pessoas, em cada situação que surge, se eu reajo com o meu ser exterior, subitamente, há toda uma massa de luz que dentro de mim se destaca e não se identifica com a minha reacção, ela permanece esférica cá dentro, e tu vais lá sofrer o que tens a sofrer. Se eu aprendo a reagir a partir dos níveis internos do meu ser, o que quer que aconteça à minha volta é evocado por mim. Em vez da vibração ser alternada e fendida, clarificada, tu alteras os acontecimentos. Significa que o modelo dual da Terra está a ser desactivado, a evolução por conflito está a terminar, e cada vez mais vamos observar evolução por identificação, por reabilitação, por iniciação.

Na evolução por conflito, o Universo dá-te um balde cheio de ouro e areia e tu saltas para dentro do balde e vais tentar separar o ouro da areia, e há um constante conflito entre as duas presenças porque para cada grão de ouro, tu agarras cinco grãos de areia, tu estás misturado com o plano onde a dualidade acontece. Tu estás dentro do balde.

Na evolução por identificação, no momento em que te aparece um balde com ouro e areia misturados, tu identificas-te com o ouro, mas não saltas para dentro do balde, não queres separar o ouro da areia. É só um balde com ouro e areia! E tu ficas do lado de fora. E dizes: “Olha, eu identifico-me com o ouro”. Esta operação de consciência na quietude, na oração, na firmeza, desenvolve magnetismo, e à medida que o teu magnetismo aumenta, os grãos de areia começam a saltar do balde.

Trabalha em níveis ocultos e não te impressiones nada com o que acontece fora de ti, porque tu fundes-te com o teu ser interno, a areia começa a sair da tua vida e o ouro permanece.

Tu és o invocador do habitat vibratório em que te encontras. Nós estamos a entrar na década do retorno ao quarto para orar em silêncio, tal como Jesus disse. Estamos na época em que isto tem que retornar.

A porta está aberta é só entrar. Eu tenho que tornar, na minha consciência, este estado de oração um contínuo e não um momento especial, senão estes 5% de irídio de que o nosso cérebro é feito não despertam. É a oração que activa os metais platinados no cérebro (irídio é um elemento com um potencial de super condutividade altíssimo). o irídio não responde a vibrações abaixo da oração.

À medida que isto vai sendo instalado, a situação à tua volta deixa de ser confusa, mas a coisa precisa de ser conquistada em camadas de realidade muito mais profundas do que na boa vontade. Tem de haver algo de estranho no processo, não no sentido negativo, mas no sentido extraordinário, fora do comum. Este ser precisa passar uma fronteira, senão ele continua no balde a lutar entre grãos de areia e grãos de ouro.

Na evolução por identificação, tu, atraindo o ouro do balde, estás a começar a usar funções desconhecidas dos chacras, funções nos chacras que estão mais para dentro do que as funções normais. Todos os chacras são um espectro, por isso é que é preciso cuidado quando se fala “ciência dos chacras”, é como chegar ao espectro e cortar só a primeira fatia, só que cada chacra tem muito mais. Cada chacra conduz àquilo que vai ser conhecido no futuro como “coração radiante”. O chacra cardíaco UM. Todos os 7 chacras são diferenciações de um mesmo chacra, da mesma forma que as 7 cores são diferenciações da mesma luz.

Esse chacra uno é o centro que os avatares exprimem (os avatares não têm 7 chacras, é uma única ampola de vibração, os chacras estão no corpo etérico. O corpo etérico de um avatar não tem nada a ver com o nosso, primeiro porque não tem chacras, tem uma única circunferência de poder, inteligência e amor-síntese).

À medida que descobres as camadas profundas de cada um dos teus centros, vais-te aproximando da vibração una que está por detrás de todas as sete frequências. Existe energia que tu podes classificar: artisticamente, sexualmente, amorosamente, vitalmente, socialmente, são qualificações de energia, e à medida que um indivíduo se vai aprofundando nesse espectro em cada centro, vai notando que a vibração de cada um deles começa a não ser distinta e com o bombardeamento de feixes de radiação vindos de Sírius, de Orion e com o facto de a Terra estar a entrar numa banda de frequência chamada “o cinturão de fotões” – começou a entrar por volta dos anos 80 – isto altera o steam, as camadas electrónicas e os ângulos de giro dos electrões em torno dos núcleos, produz combinações moleculares completamente exóticas, não fazem parte da história natural.

O Sol entrou numa cintura de fotões que momentaneamente (ainda não está estudado) altera a acção da gravidade sobre as moléculas. Isto permite combinações completamente desconhecidas, altera a química cerebral, o comportamento celular, o comportamento atómico e subatómico e sobretudo, diminui profundamente a actividade electromagnética do Sol e com isto, a potência e o bombardeamento de outras estrelas é muito mais intenso sobre a Terra e a reconfiguração da nossa Mãe é acelerada.

Isto conduz directamente ao assunto do único chacra.

Neste momento Eles estão fundindo o 1º e o 2º chacras, estão a criar aquilo a que se chama um centro criativo raiz, que deverá preparar a futura forma de reprodução. Este centro vai aprender a reprodução por impacto de radiação e não a reprodução por transporte de um crepúsculo super yang (sémen) para dentro de uma célula super yin, ou seja, o prana, o espaço etérico entre os seres vai ser fundamental no acto procreativo.

Da mesma forma o chacra do coração está-se a fundir com o centro da laringe e o plexo solar, gradualmente. Quando nós estávamos numa vida de sobrevivência, as diferenciações nas categorias do ser eram muito intensas, neste momento essas diferenciações estão sendo atenuadas e os chacras estão a sofrer um percurso em funil rumo ao único chacra.

A próxima Raça deverá ter uma distância na vibração dos chacras muito menor do que a nossa. Significa que as pessoas poderão sentir amor numa equação matemática.

As antigas definições entre matemática e paixão, geometria e fusão, análise e síntese vão começar a fundir-se para acomodar a vibração do UM.

Raças são aventuras do espírito da multiplicidade para a unidade. Então, as próximas crianças já trazem tendências que fundem os chacras.

À medida que estes centros se vão fundindo, começam a circular novas energias no teu corpo que suspendem processos químicos muito antigos, certas tendências hormonais, que substituem um tipo de comportamento hormonal por outro. Ex. Duas das glândulas que estão a ser mais estimuladas pela cintura de radiação são a pineal e o timo.

Em níveis profundos, o campo da pineal que corresponde à vontade, e o campo do timo que corresponde à inclusividade, estão-se a fundir também. Isto está gradualmente a gerar um novo tipo de criança.

Os star seed são seres que vêm doutras regiões do Universo ajudar a Terra na transição. Entretanto, entre 78 e 82 nasceram grandes quantidades de novas crianças, a partir de 82 o número estabilizou e calcula-se que actualmente, 80% das crianças que nascem trazem essas novas características.

Estas crianças não inter agem com a sociedade tal como ela ainda permanece e são justamente estas crianças, que por volta de 2011 irão dar à luz aquilo a que chamaríamos os bebés diamante. As crianças diamante são conscientes no plano da mónada.

Os star seed vieram abrir o caminho para as crianças índigo que têm uma cintura azul escuro fortíssimo em torno da aura, e as crianças índigo serão os pais das crianças diamante por volta de 2010.

As crianças diamante são todas equivalentes a seres ressurrectos, isto é, seres que não atravessam o vazio do acto de desencarnar.

Depois de desencarnar o indivíduo entra na região a que se chama Bardo (do Budismo). Essa região contém um tipo de vibração que não alimenta a base da memória. Significa que há uma completa dissipação de memória das vidas anteriores. O que quer que fique das vidas anteriores é retido nos planos akashicos, no mar de cristal, e quando um ser volta a encarnar, os átomos semente não contêm memória mas a síntese vibratória. Síntese vibratória é o resultado qualitativo, memória é a crónica do que aconteceu numa vida anterior.

Ao atravessar o Bardo perde-se completamente a memória da vida anterior. Estas crianças diamante, todas elas não atravessam o Bardo. Significa que, se elas tiveram vidas na Terra lembram-se de todas, se vêm de outros planetas lembram-se de tudo, se trazem determinada tarefa, aos 5, 6 anos falam abertamente nessa tarefa.

O adormecimento do espírito produzido pelo cérebro físico não actua sobre estes seres. Têm curvas de envelhecimento muitíssimo longas. Não se sabe quantos anos vão viver. A oxidação celular é muito baixa e quanto às hélices de ADN é muito provável que elas já tenham as 12 hélices de ADN que neste momento estamos a aprender a reconstituir.

No momento em que o ser está em oração, está a aprender a reconstituir a 3ª hélice de ADN. Quando te unes ao Pai, estás a enviar uma ondulação que facilita a reconstituição da 3ª hélice de AND, assim sucessivamente até à reconstituição das 12 que era o código genético adâmico original, o código genético dos Adões e Evas era de 12 hélices de ADN. Claro que não era um Adão e uma Eva mas essa raça cósmica que veio acelerar a evolução da Terra.

Nós temos 2 hélices de ADN e à medida que aprendemos a orar de uma nova forma estamos a reconstituir a 3ª hélice.

As crianças índigo (80% actualmente) trazem uma nova forma de oração. Na antiga forma eu pedia que algo acontecesse, visualizava um acontecimento, dava um prazo e em muitos casos combinava um preço. Temos um santuário no centro do país todo dedicado à velha forma de oração. Tudo bem! Na nova forma de oração tu visualizas-te completamente no amor, na paz. Tu pedes ao Pai o advento da plenitude em ti. Tu concentras-te no estado em que queres estar e não no instrumento através do qual sentes que vais chegar a esse estado.

Tudo o que os seres humanos buscam é plenitude, equilíbrio, harmonia. Na antiga forma de oração, as pessoas ficavam do lado de cá da desarmonia e iam dizendo ao Pai o que é que achavam que era necessário para ficarem completamente em harmonia. Na nova forma de oração eu antecipo-me e ofereço-me para ficar em harmonia e não conta como é que eu vou ficar em harmonia. Então, eu peço paz, equilíbrio e visualizo-me (isto é essencial) nesse estado. Tu oras ao Pai como se Ele já tivesse respondido à oração. E há uma oração de gratidão, de alegrai e de união com essa paz central.

Acontece que a tua consciência, com essa nova forma de oração sofreu uma mutação, não está mais no: “eu quero receber”, mas, “eu recebi” e, de repente, os contadores cósmicos dizem: “espera aí, há aqui um erro, aquele ali está no estado de quem já recebeu, mas segundo as nossas contas, nós ainda não lhe demos, estamos atrasados”, então, os anjos vêm a correr…

Eu crio uma consciência de quem já se firmou no ter recebido. Eu estabilizo-me, abro-me e agradeço uma coisa que, segundo a antiga estruturação quântica, ainda não recebi e peço paz e harmonia. A oração consiste em ter uma fé tão poderosa nas energias superiores que tu verdadeiramente emites uma onda de quem já recebeu e a tua consciência, em termos quânticos, não está mais em fase com o antigo varrimento. Conclusão: O Universo tem de se actualizar. Tu vais da solução para o problema. Nós temos que assumir a nossa parte de divindade.

No antigo diálogo eu era todo humano e a meta era o todo divino. Nesta nova forma de oração tu necessitas de assumir uma parte da luz interior, então, o divino que dá e o divino que recebe são um só, e assim, o campo vibratório à tua volta altera-se, e a realidade, as forças, os elementais e o carma, inclusive, têm que seguir esse conduto que tu crias-te na fé.

Na fé porque é necessário um grau de loucura e de fé para conseguir entrar nisto, tens que estar à frente do teu tempo. Precisas de orar da 4ª dimensão, onde o templo não é importante, para dentro da 3ª dimensão onde o tempo conta, e se tu oras já na 4ª dimensão, as leis da 3ª dimensão começam a alterar-se.

Não é possível pedir coisas, porque ao criares objectivações, tu cais todo dentro da 3ª dimensão outra vez. É necessário que o ser comece por pedir estados, não coisas, é para pedir um estado total, uno, pleno, sem hiatos e uma vez isto conseguido, começam a aparecer coisas.

Então, estas novas crianças trazem uma escola dentro delas que as ensina a orar de cima para baixo, duma dimensão una para uma dimensão fragmentada e trazem uma certeza profunda do nosso património espiritual e da nossa identidade cósmica, daí para baixo.

Devemos ter consciência que, como vigilante tu és a ombreira da porta de muitos seres. Implica um alinhamento, uma responsabilidade e um trabalho que é como um cirurgião em que um corte 3cm a mais é fatal. Ao mesmo tempo que deixamos esta responsabilidade entrar, é importante que estejamos todos semi deuses e a rirmo-nos disto tudo em simultâneo, porque é preciso montar e desmontar, montar e desmontar, porque se só ficamos a montar essas coisas, podemos ficar a um passo da omnipotência e aí é perigoso.

Então, eu preciso trabalhar isto de forma que o meu veículo vá ficando plástico à luz, sem rigidez, lúcido, mas ao mesmo tempo flexível. Assim, tu estás a trabalhar para dois grandes grupos: as crianças índigo e as crianças diamante.

Chama-se diamante porque a zona que equivale, simbolicamente, ao diamante, a pineal, é muitíssimo forte nesses bebés. Vão ter poderes de cura fortíssimos, sufocam na aura opressiva das grandes cidades, eles não conseguem viver aí ou então invertem, o que é particularmente grave, tornam-se extremamente negativos.

As ilhas de luz são habitats onde as qualidades das crianças índigo e diamante se podem exprimir.

Nós estamos facilitando o advento de uma nova Raça. Muitos destes sintomas vão ser vividos em nós. Isto é a preparação para a 6ª Raça. Nós estamos na 5ª Raça e estamos a passar da 5ª Sub Raça da 5ª Raça para a 6ª Sub Raça da 5ª Raça que contém o gérmen ligado ao Manu que contém a ressonância que conduz à 6ª Raça.

É necessário abrir o campo vibratório para uma paixão serena pelas novas crianças, pelas ilhas de luz e pelo grande abraço que os vigilantes estão a aprender a dar.

Aquilo a que se chama, exotericamente, a cruz mutável, que é onde a humanidade comum está crucificada, caracteriza-se por uma tendência para ter. Os discípulos saíram da cruz mutável e entraram na cruz fixa. A cruz mutável corresponde ao cristo oculto, ele está lá mas não se exprime cá fora. Isto é o estado da humanidade inteira. Nós estamos a aprender a sair da cruz mutável – fogo fricativo, 3º Raio – e chegar à energia de 2º Raio. Estamos a transferir força do plexo solar – ter – para o 2º Raio – coração, amor.

Esta cruz fixa é a cruz do cristo crucificado, corresponde ao momento em que o indivíduo de mil e uma influências encontra a única que o move.

A força motriz do Homem é a paixão, que é o que nos faz passar da cruz mutável (cruz suástica) para a cruz fixa (dos discípulos) e o que nos faz passar da cruz fixa para a cruz ca
rdinal (dos iniciados) é outra vez a paixão. Paixão é a fusão entre consciência e acção (Eros do grego). A cruz fixa é o perfeito equilíbrio entre o vertical e o horizontal. O homem comum está a aprender a sair da suástica e a sonhar com a cruz fixa. O vigilante está a aprender a estabilizar-se na cruz fixa e a começar a vislumbrar a cruz cardinal, mas a transição faz-se sempre por paixão.

Por André Louro de Almeida
 
 

 

FIQUEM COM GAIA