TRABALHADORES DE LUZ - A caminho da evolução

TRABALHADORES DE LUZ - A caminho da evolução

CABALA A ÁRVORE DA VIDA

SOBRE A ÁRVORE DA VIDA



No Jardim do éden existem duas árvores:
- a árvore do Conhecimento do Bem e do Mal e
- a árvore da Vida (a árvore dos Sephiroth).

A seguir um cronograma mostrando a "arvore do conhecimento do bem e do mal":





A árvore da Vida nasce nas raízes da árvore do Conhecimento. Diz-se, simbolicamente, que todo aquele que comer dos frutos da árvore do Conhecimento morrerá, mas ao mesmo tempo será como um Deus, pois seus olhos se abrirão e conhecerá o Bem e o Mal.




A árvore da Vida tem uma Serpente de Fogo enroscada em seu tronco. Este é o Dragão da alquimia, o Oroboros. Esta árvore é a Cruz da iniciação, o Caduceu de Hermes com as duas Serpentes enroladas. A Serpente no caso, representando a Mãe Santí¬ssima, ísis, Nuit, Kundalini, o Espírito Santo.

 

Na árvore da Vida estão o céu e a terra, Kether e Malkuth, o Macrocosmos e o Microcosmos. Lá estão as sete igrejas da Ísis, os sete anjos, os sete selos e as sete trombetas do Apocalipse, os caminhos a serem seguidos para a elevação.


Todo aquele que quiser viver e não quiser morrer, passará pela árvore da Vida e será devorado pela sua Serpente de Fogo. Explicando melhor, irá nascer, viver, crescer, aprender, para depois envelhecer, definhar e morrer. Porque para nascer é preciso primeiro morrer, é necessário descer ao túmulo, ao Hades.e para isso existe a árvore da Vida. É o que conhecemos como o ciclo das reencarnações.

(simbolo planetário que representa cada sephira da árvore da vida):





Abaixo, as linhas pontilhadas dividindo as sephiroths em 4 grupos, chamados 4 mundos:


Existe uma analogia utilizando ambas formas do pentagrama como representações da árvore da vida.


O pentagrama voltado para cima seria o espírito sobre a matéria


O pentagrama voltado para baixo seria a matéria sobre o espírito.



Então, vejamos como essas duas árvores se conectam:


O triangulo inferior nos mostra a árvore da vida e a árvore do conhecimento. Repare a arvore da vida, na vertical e a arvore do conhecimento, na horizontal.


A conexão entre a árvore da vida e a árvore do conhecimento forma um dos triângulos que compõe o selo de Salomão.

Sabemos que o selo de Salomão é dividido em dois triângulos. Descobrimos o primeiro deles, que é formado pela conexão de ambas árvores. Agora vamos ao próximo.

O triângulo superior nos mostra a árvore da vida e suas ramificações (as sephiroth).

Dos dois triângulos que compõe o “Selo de Salomão”, o superior representa o mundo não manifestado do espírito puro e o conhecimento acerca dele foi reservado aos iniciados de um grau elevado – os eleitos, ou iluminados – e é o campo do Misticismo. O triângulo inferior, que representa o universo manifestado, é o terreno do Ocultismo.

A parte central é um hexágono, que é dividido verticalmente e horizontalmente por duas linhas formando uma cruz, as quais são chamadas, respectivamente, Árvore da Vida e Árvore do Conhecimento

A porção inferior do hexágono, que corresponde ao triângulo inferior, é chamada de “Templo de Salomão” e é a esfera da atividade masculina.


A parte superior, que corresponde à Morada de Adonai, o Senhor, é a esfera do elemento feminino, a Inteligência, que é chamada na Cabala, a Filha, a Casa da Sabedoria, a Face do Sol.


 Podemos fazer uma analise dessas duas árvores vendo como elas formam o selo de Salomão.








Jachin e Boaz são os nomes dos dois pilares localizados no templo de Salomão. Por essa razão, muitas ordens maçônicas utilizam essas palavras como passe para entrada. Existe um motivo para esses dois pilares terem esse nome, e porque esses nomes são utilizados ate os dias de hoje.

A árvore da vida, os 22 caminhos e as respectivas cartas do tarot que representam cada caminho:

A árvore da vida, os 22 caminhos, e as respectivas letras cabalísticas que representam cada caminho:

A figura da Árvore com os caminhos relacionados aos arcanos do tarot, começa de cima para baixo. Pode parecer estranho a muitos, pois a maioria pensa que, sendo o tarot uma jornada do louco à iluminação, ela deveria começar de baixo para cima, de Malkut à Kether.

Mas, é normal ter esse tipo de dúvida, mas pense no seguinte: todo mundo quer ir para o céu, mas ninguém quer morrer, certo? Então porque ao invés de ir para a luz, não trazer essa iluminação para nosso plano físico?


Tudo começa em kether. kether é a centelha divina, é de onde vem tudo, todo o potencial.

Para se trabalhar esse potencial (1-kether) é preciso conhecê-lo (2-chokma), mas não basta conhecê-lo, deve-se também entende-lo (3-bimah), pois o conhecimento sem o entendimento é a mesma coisa que dar um dicionário a um analfabeto.

Agora está ficando mais claro? A idéia do ocultismo não é subir a outros planos, mas sim manifestar em nosso plano (malkuth) a energia desses planos de existência.


Uma vez que você acessa esse potencial (1-kether), o conhece (2-chokma) e o entende (3-bimah), então descobre que pode utilizar esse potencial tanto para fazer coisas (4-chesed), como para obter coisas (5-geburah). Deve-se trabalhar com ambos, saber doar e saber receber, para obter o equilíbrio (6-tiphereth), ou seja, chegar à harmonia.


Uma vez que você encontra o meio termo (tiphereth) entre dar e receber chega a hora de utilizá-lo. Esse é o primeiro passo para se criar algo.


Para criar qualquer coisa é preciso utilizar a criatividade (7-netzach), porém, de nada adianta a criatividade, se ela não tiver lógica (8-hod).


Da criatividade atuando junto à lógica, encontra-se o fundamento (9-yesod).


E, por fim, essa idéia toma forma no plano físico (malkuth).


Como podemos perceber, existe uma distância muito grande entre nosso potencial e utilizá-lo. Por isso a jornada do louco em busca da sabedoria inicia-se em kether (o potencial) e termina em malkuth (o plano físico):



A árvore da vida e o significado de cada sephira.


1. Kether (potencial)
2. Chokmah (conhecimento / sabedoria)
3. Bimah (compreensao / entendimento)
4. Chesed (altruí¬smo)
5. Geburah (julgamento)
6. Tipheret (harmonia / equilibrio)
7. Netzach (criatividade)
8. Hod (lógica)
9. Yesod (fndamento / razão)
10. Malkuth (plano fí¬sico / ação)


Os 22 Nomes Divinos que são unidos aos 22 Caminhos unindo os Sephiroth, e que são ligados a toda ação prática sob esses Caminhos:



Os 22 caminhos: